Revista Grid

Blog

Fórmula 1 – 2024, mas com foco nos anos seguintes. Isso pode ser bom!

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Email

Mundial deste ano encerra ciclos importantes e a maioria está de olho em 2025 por muito mais que o “mais do mesmo”

A temporada 2024 ainda nem começou, mas já recebe comparações e diversas previsões. O próximo Mundial de Fórmula 1 não terá absolutamente nenhuma novidade em relação ao ano passado, mas o que está prometido para o futuro pode fazer com que o resultado e as corridas sejam diferentes e bem mais interessantes, com Max Verstappen podendo ser ameaçado de verdade.
Explicamos. Assim como em 2021, o campeonato do ano que vem será de transição. Muitas mudanças de regulamento vêm sendo planejadas para 2025 e 2026. No primeiro ano, mudanças aerodinâmicas radicais para resolver os problemas surgidos nos carros da última geração, como o porpoising; no seguinte, novas regras de motores, que deverão ser mais eficientes, econômicos e com zero emissão de carbono – e igualmente velozes.


E você lembra o que aconteceu em 2021? O melhor campeonato dos últimos dez anos. Com as principais equipes já focadas no desenvolvimento das novas regras e sem desenvolver mais os modelos do ano, os outros times seguiram trabalhando, se aproximaram e o campeonato foi decidido somente no meio da última volta, com a quebra de uma hegemonia longa.
Com um carro muito avançado em relação aos rivais, a Red Bull poderá até se dar ao luxo de não mexer em nada no RB20, que será basicamente uma evolução do RB19, o carro mais dominante da história da F-1 em uma única temporada. E ela, inclusive, passou as últimas etapas de 2023 sem atualização alguma – e nenhuma diferença no resultado final.
Só que a glória da Red Bull foi a humilhação das rivais, que precisam responder. A Mercedes, por exemplo, não poderá privilegiar 2025 com um carro que terminou o ano passado tão criticado e crucificado. O time de Toto Wolff precisará reagir e desenvolver um novo carro para honrar não só a marca, mas também Lewis Hamilton – que em 2025 estará na Ferrari – e os patrocinadores. Algo similar foi feito pela Red Bull em 2021 e, no fim, deu certo.
Outra que precisa reagir é a Ferrari. Mesmo tendo sido a única a tirar uma vitória da Red Bull em 2023, a pressão em cima dela sempre foi grande. Com um carro regular, mas muito defeituoso, um pouco de avanço e resistência pode fazer com que os italianos ameacem mais a dominância de Verstappen e Perez no topo.


As equipes a que mais devemos prestar atenção são aquelas que hoje ocupam a meiuca. McLaren, Aston Martin e Alpine são as que mais tiraram vantagem daquela temporada de transição em 2021. Tirando a Aston, as outras duas venceram uma prova naquela temporada e poderiam até ter somado mais.
A Alpha Tauri, uma das que venceu em 2021 com Pierre Gasly no inesquecível GP da Itália, é outra que precisa reagir. Ainda mais agora que terá novo nome, Racing Bulls, e precisará ativar a marca de cartões de crédito que lhe forma o nome completo. Mas sem pilotos fortes, como acontece também com a Haas, vai ser difícil repetir essa marca, a não ser que ela faça uma cópia do carro da equipe-irmã, coisa que a Racing Point fez com a Mercedes naquele mesmo ano de transição.
Há incógnitas no grid, também. A Williams teve sua melhor temporada em anos e, se conseguir melhorar seu carro, poderá ver Alex Albon brigar até por pódios. A Sauber, sem o apoio da Alfa Romeo, também passa por um período de transição para se transformar em Audi em 2026 e, sem a grana da Alfa, poderá sofrer neste período.
Maioria das respostas, no entanto, só virão a partir do dia 2 de março, um sábado, depois da bandeirada do GP do Bahrein.

Texto: Bruno Vicaria

O que você procura?

Notícias anteriores

Categorias

Categorias

Tags

Segue a gente