Revista Grid

Blog

Festa badalada na 1000 Milhas

Compartilhe

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram
Email

Com evento cada vez mais encorpado em Interlagos, edição de 2024 revela quinta equipe vencedora em cinco edições da nova fase da corrida

Quando nota-se a ocorrência do grid de Interlagos abarrotado por 60 carros, devidamente distribuídos em uma série de subcategorias, a tentação de se adotar a régua numérica para dimensionar as 1000 Milhas Chevrolet Absoluta aumenta. Mas há que se medir muito mais que o grid, cinco vezes maior que o da corrida que resgatou em 2020 a tradição brasileira na realização de corridas de automóveis com esse percurso, inexistentes havia mais de uma década.

1000 MILHAS 01 ABRE
A edição de janeiro foi a quinta do atual formato das 1000 Milhas, trazido a efeito na temporada de 2020

Todas as fases do trabalho de preparação para a semana intensa transcorreram sob a batuta da Interlagos Sports & Marketing, empresa de eventos liderada por Thiago Pereira. A equipe não se ateve a organizar uma corrida de carros, mostrada ao vivo para o mundo todo em 13 horas a fio de transmissão. Mais que isso, permeou o Autódromo José Carlos Pace com um sem-número de atrações para marcar os 470 anos que a cidade de São Paulo completou dois dias antes da largada.
No feriado que abriu a programação pela data festiva, milhares de ciclistas ocuparam a pista de corridas, que horas mais tarde seria tomada pelas máquinas mais velozes do país. O programa incluiu ações culturais e esportivas, parque de motorhomes, shows e arquibancadas liberadas para quem quisesse acompanhar tudo de perto. A roda-gigante, há tempos associada a grandes eventos mundiais de automobilismo, também estava lá, iluminando a subida do Laranjinha.

A festa da velocidade valorizou as corridas preliminares que deram início aos campeonatos da Gold Classic e da Fórmula 1600. A prova principal recebeu mais uma vez o nome GP Cidade de São Paulo. Foi, dentre outros motivos, uma forma de dissociar o trabalho do anúncio paralelo de uma outra corrida com este percurso no mês de janeiro, que não ocorreu. No evento de verdade, até São Pedro foi parceiro – a chuva prevista para todo o fim de semana só apareceu no domingo pela manhã, na hora e meia final da corrida.
A bem da verdade não se completaram as mil milhas do percurso original, de 373 voltas. A chuva e as intervenções de safety car levaram ao cumprimento do item do regulamento que limita a disputa em 12 horas mais uma volta. As 343 voltas foram cumpridas em exatas 12h02min15s546. E, voltando ao número de carros, o destaque de 2024 ficou por conta dos exemplares de turismo com motorização mais modesta, que responderam por pouco mais de 50% do grid do GP Cidade de São Paulo.

1000 MILHAS 03 AUDI A3 OPCAO 1
A Mamba Negra alcançou o vice na GT4 Light com o Audi A3 Sport

Festa da Porsche!

Em termos de resultados, vitória para Marcel Visconde, Ricardo Maurício e Marçal Müller, trio que levou à pista o Porsche 911 GT3 R da Stuttgart Motorsport. A equipe havia vencido versões anteriores das Mil Milhas. Em 2001, com Flávio Trindade/Max Wilson/André Lara Resende/Regis Schuch. No ano seguinte, com Trindade/Schuch/Raul Boesel. Em 2008 o trio vencedor teve Wilson, Boesel e Visconde. Carros da Porsche haviam triunfado em 1993, 1994, 1995, 1996 e 2003.
As cinco edições das 1000 Milhas Chevrolet Absoluta tiveram cinco equipes distintas comemorando a vitória na classificação geral. Em 2020, em um grid com 12 carros, Renan Guerra, Ésio Vichiese e Stuart Turvey triunfaram com o G55 do Team Ginetta. No ano seguinte, já com 25 carros inscritos, foi a vez da LT Racing Team, equipe do piloto Leandro Totti, que revezou a pilotagem de seu protótipo MCR-Honda 2.1 com Guga Guizzo, Eduardo Pimenta, Leo Yoshii e José Vilela.

O crescimento do grid seguiu em 2022, já sem as restrições decorrentes da pandemia, que haviam forçado mudanças no ano anterior, e a largada ocorrendo à meia-noite com 40 carros. Venceu o trio que Jindra Kraucher formou com Aldo Piedade Júnior e José Roberto Ribeiro na quarta geração de seu protótipo Sigma P1. Outro protótipo nacional foi o primeiro entre os 43 carros do ano passado: o gaúcho AJR-Chevrolet, que teve Fernando Fortes, Henrique Assunção, Fernando Ohashi e Emílio Padron ao volante.

Texto: Luc Monteiro / Fotos: Rodrigo Ruiz

O que você procura?

Notícias anteriores

Categorias

Categorias

Tags

Segue a gente